Posted by
Convergência

O PROF. HERMES RODRIGUES NERY, QUE PARTICIPA DA COALIZAÇÃO CONVERGÊNCIAS É UM DOS FORTES COTADOS  PARA  SER O MINISTRO DA EDUCAÇÃO NO NOVO GOVERNO FEDERAL. 

Coordenador do Movimento Legislação e Vida, é um dos maiores líderes Pró-Vida do Brasil. É professor, jornalista, escritor e político, atualmente filiado ao PSL. Hermes Nery é também reconhecido internacionalmente por sua luta contra o aborto, foi neste ano convidado a participar na 48º Assembleia Geral da OEA, realizada em Washington DC, uma vez que a Carta dos Direitos Humanos (Pacto de San Jose De Costa Rica) consigna o direito à vida de forma incondicional.

Seu nome tem sido ventilado nos bastidores e nas redes sociais, contando com o fato de estar filiado ao mesmo partido do presidente eleito Jair Bolsonaro. Seria o único integrante da legenda com capacidade técnica para ocupar tal cargo, com larga experiência em administração pública e privada, com exemplar lisura administrativa, o que o torna um bom “ministeriável”.

 

Com grande conhecimento e experiência como docente, além da experiência política – já foi vereador e presidente da Câmara Municipal de São Bento do Sapucaí/SP e candidato à deputado federal – seu nome tem sido ventilado nos bastidores e nas redes sociais, contando com o fato de estar filiado ao mesmo partido do presidente eleito Jair Bolsonaro. Seria o único integrante da legenda com capacidade técnica para ocupar tal cargo, o que o torna um bom “ministeriável”.

Nascido em Curitiba (PR), em 15 de junho de 1965, Hermes Rodrigues Nery tem ampla experiência profissional no magistério e jornalismo, com atuação em gerência em empresa educacional da iniciativa privada e em gestão pública, no campo legislativo e executivo. Depois de quase 30 anos com atividade como professor (em todos os níveis, do básico ao ensino superior, tanto na iniciativa privada quanto pública), atua em cursos de formação, na área de educação, comunicação e política, também com aulas particulares e ensino a distância. Dentre os colégios que lecionou, em São Paulo, destaca-se a Escola Brasileira Israelita Chaim Bialik, tendo contato com vários ex-alunos que trabalham em Israel. Desde o início de sua atividade educacional, desenvolveu projetos de educação e ministrou cursos, tendo sido recebido em 1989, pelo então presidente da UNESCO, o escritor da Academia Francesa de Letras, Jean d ‘Ormesson, para conhecer sua iniciativa de de extensão de bibliotecas com livros doados por empresas para equipar escolas em comunidades carentes. Na ocasião foi diretor da União Brasileira de Escritores, aonde sentiu pela primeira vez o peso da hegemonia cultural marxista, do qual buscou enfrentar, por dentro da instituição, lançando a candidatura do poeta gaúcho Mário Quintana ao prêmio Intelectual do Ano. Não apenas na UBE, mas também em toda a imprensa, não havia espaço para o pensamento conservador. Das entrevistas que fez com intelectuais brasileiros, publicadas no Jornal da Tarde (do grupo O Estado de São Paulo), foram reunidas no livro “Encontros & Ideias”, mas somente em 2002, publicou as suas conversas informais com a escritora Rachel de Queiroz, pela Ed. FUNPEC, “Presença de Rachel”, com lançamento na Academia Brasileira de Letras. Alem de lecionar na rede privada e pública de ensino, e ministrar cursos e palestras, foi Assessor de Comunicação na Câmara Municipal de São Paulo, e Coordenador de Imprensa e Marketing da Universidade do Grande ABC. Como católico, atuou também na Pastoral da Comunicação, recebendo o convite para gerente de instituição educacional no Município de São Bento do Sapucaí, recebendo, por ano, mais de dez mil estudantes de todo o Brasil, para atividades educativas, recreativas e esportivas. Fixou residência na cidade, aonde fundou um jornal, e integrou-se em várias atividades. Elegeu-se vereador, foi Presidente da Câmara Municipal, presidente do Conselho Municipal de Educação e Chefe de Gabinete do Executivo Municipal.

Em 2005, a convite do Bispo da Diocese de Taubaté, Dom Carmo João Rhoden, foi nomeado coordenador da Comissão em Defesa da Vida, atuando junto com a Pastoral Familiar. No mesmo ano fundou o Movimento Legislação e Vida e durante dez anos foi regularmente a Brasília, para levar informações aos deputados, senadores e ministros do STF sobre questões vida e família, participando de várias audiências públicas, formação com o clero, profissionais liberais, professores, etc. Foi o coordenador-geral do I Congresso Internacional em Defesa da Vida, em fevereiro de 2008, na Basílica de Nossa Senhora da Conceição Aparecida, de onde saíram as diretrizes para a atuação no Congresso Nacional, junto às Frentes Parlamentares em Defesa da Vida e da Família, obtendo, dentre outras importantes vitórias, evitar a legalização do aborto no Brasil, com o sucesso da histórica votação de 33×0 na Comissão de Seguridade Social e Família, e 54×7 na Comissão de Constituição e Justiça, ao qual foi posteriormente arquivado o PL 1135-91. Também em 2014, atuou junto com outros grupos pela retirada da ideologia de gênero no Plano Nacional de Educação, outro grande sucesso do movimento pró-vida nacional. A sua larga experiência em gestão pública, no campo legislativo e executivo, o tornou um perito em Administração Pública e um dos maiores líderes Pró-Vida e Pró-Família do País. Foi secretário-geral do Movimento pela Cidadania Brasil Sem Aborto, membro do Regional Sul 1 da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, Presidente da Associação Nacional Pró-Vida e Pró-Família, diretor da Associação Guadalupe e Coordenador do Movimento Legislação e Vida. Dentre vários artigos e conferências, publicou os livros: “A Igreja é Viva e Jovem” (Ed. Linotipo Digital, 2013), com lançamento na Jornada Mundial da Juventude; “Legislação e Vida” – a vitória da vida no parlamento brasileiro e a sua judicialização no Supremo Tribunal (Editora Estudos Nacionais, 2018)

Ele tem assinado a maioria dos documentos produzidos pela coalizão Convergências.

Paulo Batista, que se notabilizou como “Raio Privatizador” na campanha à Assembleia Legislativa de São Paulo, recomenda o Prof. Hermes Nery

A primeira postagem em rede social, recomendando o prof. Hermes Nery ao Ministério da Educação.