Movimentos encaminham Carta ao Pres. Temer para vetar a Lei de Imigração

Movimentos ligados ao Convergências encaminham documento fundamentado juridicamente ao Presidente Temer, para que vete a nova Lei de Imigração aprovada pelo Congresso há poucos dias. Segundo Luiz Philippe de Orleans e Bragança, quem tomou a iniciativa e produzir o estudo com assessoria de juristas (descritos no documento), a nova lei fere a soberania nacional e coloca em risco a segurança da população, além de abrir precedentes para a eliminação de fronteiras. Há, segundo Bragança, “inúmeros aspectos muito preocupantes, tanto do ponto de vista legal, como econômico e social. A lei é absolutamente inconstitucional, e espera-se que o Presidente, um renomado jurista, reconheça tais ilegalidades e vete a lei, de forma que possa ser revista pelos legisladores.”

Orleans e Bragança acrescentou que o veto não significa um ato anti-humanitário, e que o Brasil deve sim, aceitar imigrantes e refugiados mas dentro do bom senso, dos tratados internacionais e do interesse nacional acima dos interesses de estrangeiros. “Se o País não está dando conta de si mesmo, como espera dar cidadania imediata, com todos os direitos dos próprios nacionais a quem sequer domina o idioma?”

Os líderes do Convergências garantem que se Temer não vetar, ingressarão imediatamente com inúmeras medidas judiciais para anular a lei diante dos tribunais, em face dos iminentes riscos que a nova legislação traz ao País.

 

CARTA ABERTA PELO VETO À NOVA LEI DE IMIGRAÇÃO1

14 Comentários

  1. Excelente iniciativa. Precisamos interferir isso sim é exercício de cidadania. Vamos das o exemplo e defender a nossa Pátria e fazer-se cumprir os nossos interesses e decisões. A nossa vontade deve ser a missão a cumprir pelos parlamentares.

  2. Parabéns Luiz Philippe, pela iniciativa, essa lei precisa ser revoga da o quanto antes, mas interesses financeiros dos políticos podem falar mais alto nesse momento

  3. O Brasil em peso implora pelo #vetatemer nas redes sociais. nao queremos perder nossa cidadania, soberania, direitos e ter fronteiras abertas sem criterios e respeito a nacao. nao aceitamos o projeto patria grande do foro de sp! nao aceitamos a agenda globalista destruidora da onu. nao queremos os planos de soros. basta! nao aceitaremos sobrecarga nos nossos servicos quando ja estao gravemente precarios.
    Esta lei sera o assassinato de muitas pessoas atraves da falta de seguranca publica, saude, crimes, drogas e violencia.

    Espero que o Presidente ouça a voz da grande maioria do Brasil. esta lei eh sobretudo perversa, maliciosa e autoritaria ao nosso povo sofrido, roubado, enganado e que ja vive uma ditadura do proletariado deixada por mais de uma decada de comunistas no poder. receberemos sim de bracos abertos aqueles que imigrarem ao brasil atraves dos devidos processos e medidas para obter uma cidadania. respeitem o povo brasileiro e com isso respeitarao tambem as geracoes futuras e os imigrantes que aqui desejam morar.

  4. Parabéns! Pela iniciativa e contará com o apoio de todos os legítimos brasileiros, pois juntos somos mais forte e todos juntos falamos em um só coro. Não a Lei da Migração.

  5. O Brasil passa por SÉRIOS momentos…. Não há como querer resolver ou ajudar outros povos…. Não conseguimos tirar o País deste LAMAÇAL de acontecimentos…..É um tiro no escuro que matará muitos brasileiros que pagam impostos altíssimo e não temos nada de bom…. O Brasil está FALIDO…..SEM DIREÇÃO….SEM FUTURO…..

  6. Se esta carta não for atendida só nos restará pedir por Intervenção Militar imediatamente! Estamos mergulhados no governo do Crime Organizado, uma ditadura travestida de democracia. O STF está dominado pelo Foro de SP. Esta lei de Migração é o golpe final na nossa soberania e direitos de brasileiros natos! Nossa bandeira nunca será vermelha! Filhos do Brasil, precisamos reagir agora. Amanhã será tarde demais. Vamos às ruas exercer nosso direito constitucional. O governo tem que obedecer a vontade popular e não a interesses estrangeiros.

Deixe uma resposta

Seu email não será publicado.


*